RSS

Por melhores condições de vida e de trabalho 20 mil marcham nas ruas de São Paulo

10 abr

Texto: Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Contra a ofensiva à classe trabalhadora, a INTERSINDICAL esteve presente na 8ª Marcha dos Trabalhadores


Milhares de trabalhadoras e trabalhadores participaram do ato unitário convocado pelas centrais sindicais e que teve a participação de movimentos sociais, como MST e MTST. Os organizadores falam em 40 mil pessoas presentes na marcha.

Por defender a unidade de ação em torno das reivindicações, a INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora também participou da atividade.

Combate ao PL 4330 e a terceirização, redução da jornada de trabalho sem redução salarial, fim do fator previdenciário, investimentos na saúde pública, 10% do PIB para educação pública, investimentos nos transportes coletivos, na moradia popular e na reforma agrária faziam parte das reivindicações unitárias, que incluía ainda a redução das taxas de juros e melhorias das aposentadorias.

Os manifestantes lotaram a Praça da Sé, local de grandes lutas e enfrentamentos sociais. De lá, saíram em passeata até o vão livre do MASP, na Avenida Paulista, onde se encerrou a atividade.

Apesar da pauta unitária, havia grandes diferenças nas intervenções das centrais.

A INTERSINDICAL cobrou o atendimento das reivindicações e registrou que para avançar na pauta será necessário mudar a política econômica e abandonar as políticas que há décadas são orientadas para atender ao poder econômico. “A classe trabalhadora deve intensificar suas lutas para exigir nossos direitos. Nos locais de trabalho, nas greves e nas ruas devemos exigir: basta de dinheiro público para os banqueiros, empreiteiras e o agronegócio”, afirmou Edson Carneiro Índio, Secretário-Geral da INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora.

“Na copa, o povo brasileiro vai torcer pela seleção. Mas também vai lutar para que a saúde, a educação e a moradia recebam os investimentos necessários. Queremos o fim da precarização dos serviços públicos e o fim da precarização do trabalho”, concluiu.

Além destes pontos, a INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora reforçou a necessidade de combater as privatizações, realizar uma reforma tributária e exigiu a auditoria da dívida pública, que além de uma política efetiva de valorização do salário mínimo, são questões fundamentais para reverter o quadro de concentração de renda que marca a realidade brasileira.

Fotos Carlos Roberto Kaká

1381460_685695258161314_1041469015884382712_n1549282_685691384828368_7688519924310621514_n10014656_685694888161351_5684915857619647339_n10014682_685757544821752_3372602698152122558_n10151895_685711184826388_6772655830283787156_n10152039_685695834827923_4033869080795533780_n10155315_685710838159756_2735948549099372283_n10177530_685691874828319_2341731962346018585_n

Anúncios
 

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: